LOADING

Type to search

Afinal, quem são os restricted free agents?

Curiosidades Trades

Afinal, quem são os restricted free agents?

Share
Explicação sobre os contratos chamados de Restricted Free Agency

Com o fim dos contratos de entry level de diversos jogadores das classes dos drafts de 2015 e 2016, a off-season deste ano promete ser agitada. Atletas como Mitch Marner, Brayden Point e Patrik Laine precisarão negociar novos termos para continuarem atuando na NHL. Vamos explicar, então, o contrato de restricted free agent. Por aqui, seguimos na expectativa de uma offer sheet.

A definição segundo o acordo coletivo em vigor

De acordo com o item 10.2 do Collective Bargaining Agreement (CBA), que é o acordo coletivo em vigor entre a Liga e o sindicato dos jogadores da NHL (NHLPA), um restricted free agent (RFA) se encaixa em dois grupos de jogadores: Grupo 2 ou Grupo 4. Aqueles que se encontram na primeira opção são RFAs. Isso se deve à falta de experiência profissional necessária para chegar à free agency (trataremos deste assunto em breve aqui no NHeLas). Nesta última etapa, o atleta (finalmente!) tem total autonomia para decidir onde jogar.

Mesmo assim, há um tempo de experiência necessário para que um atleta se torne RFA. Esse tempo é estabelecido por uma tabela que segue a idade que ele tinha quando seu contrato foi assinado. Para a NHL, a idade do jogador é aquela do dia 15 de Setembro do ano em que o contrato for assinado. Curiosamente, esta mesma data limite impediu que Auston Matthews fosse draftado em 2015, pois seu aniversário de 18 anos foi posterior. Será que ele iria para Buffalo depois de Connor McDavid ser draftado por Edmonton? Nunca saberemos.

A previsão dos jogadores de Grupo 4, por outro lado, foi colocada para evitar que os clubes perdessem os direitos de jogadores que decidissem jogar na Europa como uma forma de burlar a restricted free agency. Ou seja, para impedir que jogadores, talvez insatisfeitos com quem os draftou, fossem jogar no exterior por alguns anos. Isso permitiria que chegassem à free agency mais rápido e, consequentemente, poderiam escolher onde atuar. Para os efeitos deste artigo, os atletas mencionados se tratam de jogadores do Grupo 2.

O tempo necessário para status de RFA

O CBA prevê a seguinte tabela para estabelecer o tempo até a restricted free agency de cada jogador do Grupo 2:

Idade do primeiro contratoElegível como RFA após
18-21 anos3 anos de experiência profissional
22-23 anos 2 anos de experiência profissional
24 ou mais velho1 ano de experiência profissional

(Fonte: CBA)

A questão da experiência profissional funciona da seguinte forma:

  • quando o jogador tem 18 ou 19 anos, ele precisa atuar em dez ou mais jogos da NHL em uma temporada. Por isso, muitos jovens atletas, especialmente aqueles que acabaram de ser draftados, costumam jogar até nove jogos na Liga. Depois, retornam à Canadian Hockey League (CHL) para que o clube não “perca” um ano do contrato se decidir retorná-lo para o major junior. Esse assunto será melhor tratado durante o texto sobre os entry level contracts, o primeiro contrato profissional da NHL. Ainda assim, há clubes que não se importam em “queimar” um ano do contrato. Esse foi o caso de Edmonton com Leon Draisaitl, que foi mandado de volta para a Western Hockey League (WHL) depois de atuar em mais de dez partidas.
  • quando o jogador tem 20 anos ou mais (aqui também se encaixa o jogador que completa 20 anos entre 16 de Setembro e 31 de Dezembro), ganha um ano de experiência jogando dez ou mais jogos profissionais sob um contrato standard em uma temporada. Assim, os jogos nas ligas menores, American Hockey League (AHL) e East Coast Hockey League (ECHL), contam para a sua experiência profissional.

Como funciona a negociação entre um RFA e sua equipe?

A partir do momento que um atleta se torna restricted free agent, a equipe que detém seus direitos precisa oferecer uma qualifying offer. Isso significa uma proposta de contrato, para continuar as negociações. Os valores da qualifying offer devem respeitar a tabela abaixo, levando em consideração o salário prévio do atleta.

Salário prévioO clube deve oferecer
$660,000 ou menosO clube não pode oferecer menos do que 110% do salário prévio
$660,001 – $952,380O clube deve oferecer 105% do salário prévio
$952,381 – $999,999O clube deve oferecer ao menos $1,000,000 em salário
$1,000,000 ou maisO clube deve oferecer 100% do salário prévio

(Fonte: CBA)

As duas partes são livres para negociar um contrato, desde que este se enquadre nas regras salariais do CBA. Na hipótese do time não oferecer uma proposta, o jogador se torna um unrestricted free agent (UFA). No entanto, caso ele receba uma e a rejeite, permanece sendo RFA.

Uma das maiores sagas da última offseason foi a negociação entre William Nylander e o Toronto Maple Leafs. As conversas se arrastaram por meses até o dia primeiro de dezembro, quando a hashtag #NylanderWatch dominava o Twitter. Mas o que essa data específica significa? A Liga precisa receber o contrato devidamente assinado até às 17h do dia 01/12, horário de Nova York. Dessa forma, o jogador pode atuar pela equipe na temporada que já está em curso.

RFAs que já assinaram suas extensões contratuais

O center Auston Matthews, do Toronto Maple Leafs, assinou por mais cinco anos com a equipe canadense, por cerca de 11.634 milhões por ano. Como resultado, o contrato fará com que o americano seja o atleta mais bem pago da equipe. Já em Dallas, o contrato de Esa Lindell causou polêmica. O defensor foi contratado por mais seis anos, pelo salário de 5.8 milhões por ano.

Outra extensão polêmica foi a de Nick Schmaltz, do Arizona Coyotes. O center, que sofreu uma lesão séria que encurtou sua temporada, assinou um contrato de sete anos por 5.85 milhões anuais. Além disso, há uma cláusula que limita trocas nos últimos três anos.

Teuvo Teravainen, dos Hurricanes, também teve sua extensão assinada por cinco anos, com valor anual de 5.4 milhões. Por fim, o futuro dos Canucks no gol, Thatcher Demko, assinou um bridge deal de dois anos, por 1.05 milhão por ano. Com esse contrato, mais curto, o jogador tem o intuito de se provar como atleta a fim de ter mais vantagens na próxima negociação.

Mas e essa história de offer sheet?

Esse assunto é a vedete da offseason deste ano, justamente pelo altíssimo número de RFAs de alto nível que estão sem contratos. Offer sheet se trata de um contrato oferecido a um RFA por outro time que não aquele que detém os seus direitos. Este documento inclui os termos de um contrato padrão, como duração, salário e bônus. No entanto, um atleta que já assinou uma qualifying offer ou que vai para a arbitragem (outro assunto que abordaremos em post futuro) não pode assinar uma offer sheet.

As opções do atleta a quem é oferecido uma offer sheet são: aceitar ou rejeitar a mesma. A partir do momento que ela é assinada, o time original é notificado para igualar a oferta ou liberar o jogador. Essa decisão deve ser tomada em, no máximo, sete dias. Além disso, é previsto o no turning back. Isso significa que, a partir do momento em que a offer sheet é assinada, as duas opções são unicamente igualar os termos ou liberar o jogador. Por fim, há previsão de uma no trade clause, caso o time original igualar a oferta. Isso estabelece que o atleta não pode ser trocado por um ano, com o fim de evitar possíveis retaliações.

E se o jogador for liberado? A equipe original fica no prejuízo? A resposta é não. Se o time se recusar a igualar os termos da offer sheet e perder o jogador, receberá escolhas no draft em contrapartida. As escolhas são estabelecidas segundo uma tabela que leva em consideração o valor do novo contrato. O máximo que uma equipe pode perder são o equivalente a quatro escolhas de primeiro round no draft. Os valores da compensação para 2019 seguem a tabela a seguir:

Valor anual do salário (AAV)Compensação
$0 – $1,395,053Sem compensação
$1,395,054 – $2,113,7161 Escolha de Terceiro Round
$2,113,717 – $4,227,4371 Escolha de Segundo Round
$4,227,438 – $6,341,1521 Escolha de Primeiro Round
1 Escolha de Terceiro Round
$6,341,153 – $8,454,8711 Escolha de Primeiro Round
1 Escolha de Segundo Round
1 Escolha de Terceiro Round
$8,454,872 – $10,568,5892 Escolhas de Primeiro Round
1 Escolha de Segundo Round
1 Escolha de Terceiro Round
$10,568,590 – ∞4 Escolhas de Primeiro Round

(Fonte: CapFriendly.com)

Se é tão simples assim, por que as offer sheets não são mais comuns?

Ora, é sabido que o hóquei é um esporte muito tradicionalista. Dessa maneira, seus dirigentes têm um acordo de cavalheiros entre eles para que ninguém seja colocado nessa situação. É preciso lembrar que, depois que os Flyers ofereceram uma offer sheet por Shea Weber em 2012, que foi igualada posteriormente por Nashville, as duas equipes não transacionaram entre elas por sete anos, até a trade deadline deste ano.

Após o lockout de 2012, a única vez em que o mecanismo foi usado envolveu Ryan O’Reilly. O jogador assinou a offer sheet de Calgary, causando um mal estar entre o atleta e o Avalanche, sua equipe original. O canadense eventualmente foi trocado para o Buffalo Sabres. Depois, foi para o St. Louis Blues, equipe com a qual chegou às finais da Stanley Cup deste ano.  

Com jogadores importantes e de grande impacto na Liga adquirindo o status de RFA, como Mitch Marner e Brayden Point, há especulações de que possam ocorrer eventuais offer sheets. Isso principalmente porque os Leafs e o Tampa Bay Lightning estão em situações complicadas em relação ao salary cap. Ambos precisarão se desfazer de jogadores a fim de ter espaço na folha salarial para suas duas estrelas.

Tags:

You Might also Like

2 Comments

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

%d blogueiros gostam disto: