LOADING

Type to search

As conquistas do Wild Card

Notícias Resumos

As conquistas do Wild Card

Share

Esse texto foi uma co-autoria entre Juh Guedes e Nathália Caldeira.

Que os playoffs da NHL são uma das melhores épocas para acompanhar o esporte todo mundo sabe. O que ninguém esperava, era que em 2019 estes playoffs fossem nos levar a resultados históricos, dignos de entrarem para os livros e recordes da liga. E que fossem atrapalhar tanto a bracket de todo mundo que seguiu as estatísticas.

Comparado com as outras ligas americanas, os playoffs da NHL, estatisticamente, são mais difíceis de prever do que os da NBA e da NFL. O que assistimos em primeira mão este ano, prova o quão especial e único o hockey pode ser.

Pela primeira vez na história da NHL (e de todas as ligas profissionais americanas), os ganhadores das quatro divisões na temporada regular foram eliminados na primeira fase dos playoffs. E, pela quarta vez, os quatro times que chegaram aos playoffs por Wild Card passaram para o segundo round, mostrando o porquê o nome é Wild Card.

Avalanche, Stars, Blue Jackets e Hurricanes marcaram pela quarta vez na era da conferência que pelo menos cinco dos times que se classificaram mais baixo na tabela passaram do primeiro round. Enquanto Colombus fez história ao ser o primeiro time na história da NHL a eliminar de forma precoce o melhor time da temporada regular, o Tampa Bay Lightning.

Mas não foi apenas CBJ que chegou a boas marcas. Os demais times que entraram nos playoffs pelas vagas de Wild Card também fizeram bonito no primeiro round.

Série Tampa 0 x Columbus Blue Jackets 4

Todos tinham absoluta certeza que um time que alcançou a marca histórica de 62 vitórias na temporada regular seria um forte candidato a ganhar a Stanley Cup, porém o que aconteceu esse ano foi algo totalmente contrário: Tampa Bay foi mandado embora pelo Columbus Blue Jackets na primeira rodada. E essa perda parece ter desencadeado o “caos” dos playoffs.

O que aconteceu? Ninguém sabe, nem os jogadores de Tampa, o técnico, talvez nem mesmo os jogadores do CBJ. E, ao invés de a história ter sido feita para os Bolts, foi feita para o Jackets.

O primeiro jogo, na Amalie Arena, começou muito bem para o Bolts: 3 gols no primeiro tempo, tudo normal até aí. Mas então, Columbus reagiu, marcando um gol no segundo tempo. No terceiro conseguiu a virada, fazendo 3 gols. A partir disso, dominância total e um Bolts enfraquecido. No segundo jogo, também em Tampa, Columbus venceu por 5 a 1. O terceiro, agora na casa de Columbus, foi 3 a 1 e a última partida foi 7 a 3. CBJ levou a série sem que ninguém pensasse que fosse possível.

Ao tentar encontrar explicações para o porque o Lightning sofreu um apagão, pode-se pensar na suspensão de Nikita Kucherov e a lesão do defensor Victor Hedman. O trio de ataque composto por Point, Stamkos e Kucherov parecia esquecer que estavam jogando os playoffs da NHL, e só resolveram aparecer no último jogo, tarde demais.

O time que apresentou o jogo mais dominante na temporada regular pareceu ter desaparecido por 4 dias, por mérito total do time de Ohio e especialmente de seu técnico  John Tortorella, que anulou todas as estratégias de Jon Cooper.

Cooper se demonstrava muito tranquilo mesmo com os resultados ruins, enquanto Tortorella a todo momento motivava seus jogadores, e isso foi fundamental para a perseverança do CBJ que resultou na conquista da série.

Série Avalanche  4 x Flames 2

Calgary chegou nos playoffs com a divisão pacífica e o segundo lugar geral na liga debaixo do braço, além de apresentar o segundo melhor ataque da NHL. Jogando em casa, ganhou o primeiro jogo da série por 4 a 0 e se acomodou. Acreditou que seria fácil, afinal os Avs chegaram aos playoffs apenas no segundo Wild Card. Na temporada regular, dos três jogos que os dois times se encontraram, os Flames ganharam todos. Ou seja, era claro qual time estava a frente no confronto.

Mas o que os Flames esqueceram, é que o Avalanche tem a capacidade de mudar seu jogo ao chegar na pós temporada. Colorado já tinha feito isso ano passado e, nesta temporada não foi diferente. Com um time composto por jogadores rápidos, que souberam aproveitar o meio do rinque e boas chances ao gol, opunham as características do time canadense.

A falta de experiência dos Flames também pode ter sido um grande fator para a derrota. O time vem passando por uma reformulação, e com isso, a maioria dos seus jogadores participaram apenas uma ou nenhuma vez de playoffs, precisando se acostumar com o novo ritmo de jogo, o que não aconteceu.

Além disso, com um jogo limpo e preciso, o Colorado Avalanche foi taticamente superior e tirou vantagem de toda decisão ruim que o Flames tomavam, ganhando os 4 jogos seguintes da série mandando a equipe de Bill Peters para casa mais cedo.

Série Stars 4 x Preds 2

O Nashville Predators bateu na trave algumas vezes nos últimos anos quando se trata de Stanley Cup. Chegou à final contra os Penguins em 2017, perdendo de forma eletrizante em um jogo 7. No ano passado, perdeu para os Jets na semifinal, e desde então o time não conseguiu o desempenho que apresentara antes.

Se tratando de um confronto da divisão central, qualquer coisa poderia acontecer. Os Preds levaram o título da divisão para casa apenas no último jogo da temporada regular, e o time vinha apresentando desempenhos semelhantes na reta final.

Os Stars, por outro lado, conseguiram chegar aos playoffs justamente pela campanha nas últimas semanas. Colocaram sua defesa no lugar e conquistaram a vaga no primeiro wild card, chegando nos playoffs aceitando o que viesse.

Dallas ganhou o primeiro jogo em Nashville, mas os Preds levaram o segundo e o terceiro, tomando vantagem na série. Mas jogando frente a sua torcida na ACC Arena, os Stars empataram a série em 2 a 2 e desestabilizaram Nashville.

E, se o time do Texas estava jogando de forma equilibrada, os Predators não conseguiram se encontrar, perdendo o jogo 5. No sexto jogo, jogando em Dallas, o confronto foi para o overtime, onde os Stars colocaram toda a energia da sua torcida para ganhar o jogo com um gol de Kingberg.

Série Canes 4 x Capitals 3

O Washington Capitals entrou para os playoffs com a certeza de que iria conseguir o mesmo feito que os Penguins dois anos antes e levar a taça para casa novamente por duas temporadas seguidas. Mas o que eles não contavam, era que os Canes, um dos últimos a se classificar para os playoffs através do wild card, fosse atrapalhar este sonho.

A verdade, é que o próprio Capitals se sabotou. Com a vantagem de 2 a 0 na série, entrou no jogo 3 achando que ia ser fácil, mas, após levar um gol, o Capitão Ovechkin se envolveu em uma briga com o rookie dos Canes, Andrei Svechnikov. Esta foi a briga mais complicada dos playoffs, onde Ovie e Svech receberam diversas críticas: o mais velho por ter nocauteado um jogador tão jovem e o rookie por ter tentado se equiparar ao veterano. No final, Ovie se desculpou, e Svech disse que não foi ele quem chamou para a briga, apesar de no vídeo ter dado a impressão de que ele quem começou.

De qualquer forma, este confronto fez com que os Canes passassem a jogar com honra, deixando todos os problemas fora do gelo e, sem a presença do rookie que até então liderava o ataque, ganhasse os jogos 3 e 4.

Os Capitals ganharam o jogo 5 em casa, mas em um confronto emocionante na PNC Arena, os Canes prolongaram a série vencendo por 5 a 2 o jogo 6.

Os Capitals não conseguiram encontrar seu jogo frente a torcida dos Hurricanes, mas o adversário não se deixou intimidar pela Capital One no jogo 7, ganhando de 4 a 3 em um double OT e prosseguindo para segundo round.

Se na primeira rodada dos playoffs já aconteceram tantas surpresas, sem dúvidas vale a pena acompanhar até a final. Com os principais nomes de fora da competição, tudo pode acontecer. Dos que restaram, o time que conquistou a taça mais recentemente foi Boston, em 2011. Com certeza teremos um novo vencedor, correndo risco até de algum título inédito.

Tags:

You Might also Like

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

%d blogueiros gostam disto: